10 Dicas para incentivar a leitura nas crianças

0
256
www.freepik.com Designed by Pressfoto Freepik

No Dia Nacional do Livro Infantil, psicóloga e pedagoga ensina como despertar o interesse dos pequenos para a leitura

O Dia Nacional do Livro Infantil e de Monteiro Lobato, um dos maiores autores infantis, criador do clássico “Sítio do Pica Pau Amarelo”, é comemorado dia 18 de abril, então vamos  aproveitar a data para falar mais sobre a prática da leitura na vida das crianças?

Importantíssima para o desenvolvimento dos pequenos, a leitura deve ser estimulada desde a primeira infância para que não vire obrigação e sim um prazer conforme vão crescendo. A psicóloga e pedagoga Maria Drummond Grupi, diretora do Ponto Omega – Centro de Cuidados Infantis Bilíngue em São Paulo – explica que a contação de histórias deve ser feita de um modo em que as crianças possam aproveitar ao máximo o momento junto com o contador, sejam eles pais ou professores. “A leitura de  histórias é realizada diariamente aqui. Elas são contadas ou lidas para a criançada com a intenção de despertar a curiosidade, a atenção, o desejo e a vontade de repetir a experiência de escuta e também a de ser leitor”, relata.

Para ajudar os leitores do portal Mirantte Magazine, ela separou dez sugestões que incentivam a prática da leitura.

  1. Quanto menor a criança mais os livros precisam ser coloridos e cheios de gravuras que agucem a imaginação;
  2. Busque exemplares com frases pequenas e sempre escritas com palavras em letras bastão;
  3. À medida que os pequeninos vão crescendo a proporção do texto deve aumentar com relação às figuras, permitindo que as crianças desenvolvam a imaginação a partir das palavras;
  4. Não poupe os pequenos de histórias de bruxas e seres malvados. Eles  precisam desses personagens para ajuda-los a compreender o sentimentos dos outros e até mesmo seus próprios conflitos;
  5. Nunca troque palavras de difícil compreensão por outras mais fáceis. A leitura também tem a intenção de ampliar e enriquecer o vocabulário e o repertório das crianças;
  6. Nunca altere o fim de nenhuma história para deixar o pequeno leitor mais alegre. Se a história for adequada par aa idade é normal que algumas trabalhem com sentimentos de frustração ou tristeza;
  7. Porém, aconselho a evitar contar histórias cujos personagens estão envolvidos em grandes perdas e ou conflitos de difícil solução, se a criança, no momento, estiver passando por algo semelhante;
  8. Se você estiver contando uma história e a criança adormecer não cesse a contação. Mesmo se a criança estiver, aparentemente, dormindo vá até ao final da história. Não a deixe pela metade;
  9. O contador deve se preparar  para dar vida à narrativa sem gaguejar;
  10. Leia de acordo com o momento que a criança vive. Para cada criança e para cada momento existe uma história. Se adequada, pode ajudar a aliviar os sintomas pelos quais uma criança está passando, levando-a a encontrar saídas para problemas emocionais ou físicos.

 

* Maria Guimarães Drummond Gruppi é formada em pedagogia e em psicologia pela PUC de São Paulo, especialista em primeira infância, com pós-graduação em Clínica Interdisciplinar com Bebês. Possui diversos cursos na área, como o Brincar na Constituição do Sujeito, e a Intervenção Precoce, ambos pelo Instituto SEDES Sapientiae.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here