Mulheres superam o machismo e se destacam em áreas profissionais dominadas pelos homens

0
397
www.freepik.com/ Designed by Prostooleh Freepik

Entregadora de gás, pintora residencial e barbeira: conheça a história de três mulheres que seguiram carreira em áreas com pouca presença feminina

Amanhã, 1 de maio, comemoramos o Dia Mundial do Trabalho e precisamos lembrar da luta diária para que as mulheres conquistem seu espaço e autonomia no mercado profissional, um movimento que, de acordo com o Ministério do Trabalho e o IBGE, ocorre lentamente nos últimos 50 anos.

Mas, mesmo distante de um cenário ideal, isso vem acontecendo e a presença feminina no mercado formal de trabalho já ocupa 44,5%, segundo dados de 2017, da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), do Ministério do Trabalho.

Os setores de administração pública e serviços são os que possuem maior percentual de presença feminina, mas muitas delas estão indo além e caminham para integrar segmentos majoritariamente masculinos, como a indústria de transformação, agropecuária, construção civil e serviços industriais. Segundo o estudo “Perspectivas Sociais e de Emprego no Mundo”, criado e divulgado pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) em 2017, uma maior participação feminina injetaria R$ 382 bilhões à economia brasileira, mas o preconceito ainda se mostra uma das principais barreiras para esses avanços.

Foi o que aconteceu com a pintora residencial Mylene Rocha, de 50 anos, que atua há seis anos nesse ofício. Ela relembra de quando foi realizar um serviço e foi questionada pelo zelador do prédio se ela realmente iria pintar sozinha, afinal, para ele, as mulheres costumam ser apenas auxiliares na pintura. “Todos os dias ele ia ao apartamento para ver se eu realmente estava fazendo direito”, comenta Mylene. Quando ela terminou a pintura, se deparou com o próprio zelador surpreso com a qualidade do trabalho. “Muita gente ainda desconfia se sabemos o que estamos fazendo, há uma grande curiosidade e medo”, completa.

Outro exemplo é o de Fernanda Alves, de 22 anos, que precisou dividir seu tempo entre a ajuda no serviço de casa, os estudos para o vestibular e a administração e trabalho no pequeno comércio de sua família que estava crescendo. Para isso, a jovem começou a entregar botijões de gás para atender as demandas de serviço, mas nem todos acreditavam na sua força para realizar o trabalho. “No começo eu ficava chateada, porque eles acham que aguentam mais peso que a gente. Mas nunca dei muita atenção, sempre disfarcei e segui com o trabalho. Por sorte, nesse último ano o estranhamento diminuiu bastante, eu diria que quase 80%”, comemora a jovem, que foi homenageada recentemente pelo aplicativo Chama em sua campanha do Dia da Mulher.

E mesmo em um dos segmentos que mais conta com mulheres na linha de frente, como o da beleza, também há preconceitos. São poucas as profissionais que conseguem atuar como barbeiras, mas esse era exatamente o objetivo de Thais Antunes, de 23 anos. Ela iniciou sua carreira na barbearia em 2013 e se aprimorou na área masculina. Mas, o preconceito sofrido, principalmente no início, não a desanimou. A barbeira e empreendedora conta que já teve que lidar com comentários que desqualificam seu trabalho. “Eu estava fazendo a barba de um cliente nos bastidores de uma emissora de TV, quando chegou outra pessoa no camarim e comentou que fazer a barba não devia ser difícil, afinal, era uma mulher que estava fazendo”, lembra. Apesar da dificuldade para conquistar um espaço, atualmente ela sente que as pessoas estão mais receptivas e dando mais credibilidade para o seu trabalho. Além de atender clientes, hoje Thais ministra cursos e faz questão de incentivar outras mulheres a seguirem seu exemplo.

Apesar da trajetória repleta de dificuldades e situações machistas, elas seguem firmes, mostrando que as mulheres podem executar qualquer função e, mais do que isso, que quando você gosta do que faz independente da área, o trabalho é bem feito. Mas, ao invés de ganharem o respeito merecido desde o momento em que decidiram seguir aquela profissão, elas só conquistam isso após provarem seus talentos com o sucesso de seus trabalhos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here